Platô da Serra do Tepequém é o paraíso do Turismo de Aventura ao Norte de Roraima

Share This:

Chegar ao platô do Tepequém é o mesmo que respirar nuvens
Chegar ao platô da Serra do Tepequém é o mesmo que respirar nuvens

Para quem é adepto do Turismo de Aventura, a Serra do Tepequém, localizada no Município de Amajari, Norte de Roraima, é apenas um aperitivo, um passeio para treinar as pernas e os pulmões, além de um prato cheio para apreciar a exuberante paisagem. Mas, para os não acostumados com esse tipo de atividade, ela é um convite para sentir qual é a sensação de subir uma serra sem sofrer muito e, de quebra, conhecer uma das mais belas paisagens de Roraima.

tep 27“Não sofrer muito” é um pouco de força de expressão, pois subir serra é desafiar a lei da gravidade. Se a pessoa estiver fora de forma, o corpo será testado e cobrado, mesmo que a subida não seja íngreme. Mas o esforço compensa, pois a subida ao platô, que é o ponto mais alto da serra, com 1.100 metros, permite banhos em igarapés e corredeiras ao longo do trajeto, vista panorâmica da vila, muita paisagem deslumbrante, além de flores silvestres e uma vegetação atípica.

tep 16As rochas pelas quais o aventureiro é obrigado a encarar é um show à parte, pois a formação geológica é a mesma do sagrado Monte Roraima. Então, quem seguir a trilha rumo ao platô vai se surpreender com uma vegetação bem diferente do que se vê por aí. Em certo período do ano, no final do verão, as flores da jurema fazem um corredor verde amarelo em pelo menos dois trechos do trajeto. Também há um corredor de samambaias de encantar qualquer um.

A trilha não é difícil. O viajante vai praticamente passando no entorno das serras menores. Sim, a Serra do Tepequém é formada por elevações menores, que vão de 550m até os 1.100 do topo. É como se fosse um passeio desviando dos pontos mais altos. Isso é possível porque Tepequém, que tem uma área de 12 mil km², é situada no centro de uma bacia fechada.

As trilhas foram feitas ainda nos anos 30 e 40, quando a região era área de exploração garimpeira. Por longos 60 anos, a caça aos diamantes alimentou muitos sonhos por ali. Só quem tiver um olhar mais atento perceberá isso, pois a natureza vem se recuperando ao longo das décadas. A picada se mantém também com ajuda do gado que pasta por lá e vai até o topo (alguns caem no abismo, conforme relato de guias).

 

LEMBRANÇAS PARA O RESTO DA VIDA

tep 06A maioria das pessoas conhece Tepequém somente por suas espetaculares cachoeiras. Mas vale a pena, pelo menos uma vez na vida, ir até o topo. Quem for não vai se arrepender e terá uma história para contar para o resto da vida. Para quem não é de Roraima, o passeio colocará o turista no mais desejado passeio por quem mora no Estado ou por quem já ouviu falar da Serra do Tepequém.

Ao chegar ao platô, a pessoa se sentirá como se estivesse respirando nuvens. Literalmente. O vento forte que traz as nuvens refresca o viajante cansado e renova os pulmões. Mas, existem dois alertas! O primeiro: ao se empolgar para tirar fotos nas pedras na beira do abismo, é preciso ter cuidado para não tropeçar e cair, pois isso seria fatal (não há registro de acidentes).

O segundo: o local é cheio de abelhas que surgem atraídas pela movimentação. Não tente matá-las quando um inseto rondar ou sentar em seu corpo, pois a picada doi muito e, quando ela pica alguém, libera feromônios que deixam as demais agressivas e atacam o que lhes parece agressivo. Ou seja, ao sentir o cheiro, as demais atacam também.

tep 25O turista deverá contatar um guia ou alguém que conhece bem a região. Este site optou por ir com o artista plástico e escultor Antony Jamaika, que um dia foi realizar um trabalho na serra e não quis mais sair de lá. Ele conhece todas as curvas e pedras da trilha rumo ao topo.

E não há desculpa de que é difícil. Para provar que qualquer umtep 22 pode subir até o platô, o site Roraima de Fato levou um jornalista de 45 anos, que é diabético e está fora de forma, e, em outra viagem, três garotos que também nunca haviam subido uma serra, um de 10 anos, outro de 12 e outro de 13. E todos querem repetir a dose. Significa que a aventura pode ser feita em família.

Então, vamos lá?

Compartilhe este post:
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someonePrint this page