Paçoca de carne de sol, uma das comidas típicas de Roraima

Share This:

Esse é o tradicional ponto da paçoca no Km 100 do trecho norte da BR-174
Tradicional ponto da paçoca no Km 100 do trecho norte da BR-174

Quem costuma se aventurar pelas estradas de Roraima vai encontrar alguém vendendo paçoca de carne em algum ponto, uma das comidas típicas do Estado. A popularidade desse alimento entre viajantes se deve à praticidade de levá-lo sem fazer muito volume e porque pode passar vários dias sem qualquer tipo de conservação, já que é feito de carne de sol, ou seja, carne salgada colocada ao sol por vários dias para secar.

O ponto mais tradicional da venda da paçoca em Roraima é o “Quarto de Bode”,  que fica no Km 100 do trecho norte da BR-174, entre Boa Visa e Pacaraima, município na fronteira com a Venezuela. Com mais de três décadas de funcionamento, o local hoje serve como ponto de referência para viajantes, de descanso para condutores e para comer paçoca ou um lanche.

Mural com a história de Jerônimo Cabral, o Quarto de Bode

Esse restaurante típico de beira de estrada foi criado por Jerônimo Cabral, apelidado de “Quarto de Bode” (referência a seu corpo franzino), um dos pioneiros naquela região, quando a BR-174 era apenas um projeto, na piçarra, cujos transeuntes resumiam-se a moradores de áreas indígenas e fazendas ou aventureiros em direção ao garimpo da Venezuela.

Foi lá que a paçoca mostrou-se um alimento prático para os viajantes durante a dura jornada em uma estrada sem asfalto. E a fama correu mundo e hoje muitos param lá para também levar para casa a paçoca feita no pilão ao bom estilo dos tempos mais tradicionais. Recentemente, o local passou a ter Wi-Fi, o que é mais um motivo para uma parada obrigatória a fim de manter contato com o mundo e uma postagem nas redes sociais para os amigos saberem da viagem.

UM POUCO DE HISTÓRIA

Paçoca com banana é uma comida tipicamente indígena
Paçoca com banana é uma comida tradicional (Foto: Divulgação)

Embora existam relatos que afirmem que a paçoca com banana tornou-se a comida tradicional de Roraima a partir dos tropeiros nordestinos que conduziam bois, há controvérsias. Há relatos em outros estados brasileiros de que esse alimento surgiu a partir dos índios.

Conforme a primeira versão de que a paçoca seria uma das heranças nordestinas, os tropeiros colocavam a manta de carne seca debaixo das selas de seus cavalos para servir de alimento a ser preparado durante as longas viagens, uma vez que ela não precisa de conservação. Conforme essa versão, na fricção entre o lombo do cavalo e a sela com o peso da pessoa cavalgando, a carne de sol passou por um processo de trituração.

Daí foi um passo para acrescentar a farinha, surgindo a paçoca, alimento que passou a ser adotado também pelos indígenas, os quais usavam o pilão feito de madeira para fazer a trituração de forma manual, como manda a tradição.

A farinha d’água, feita de mandioca, compõe esse prato típico. E a banana acabou sendo um complemento importante não apenas pela facilidade de encontrar esse fruto nas comunidades indígenas, farto nas roças em boa parte do ano, mas porque ela ajuda a paçoca a descer bem na garganta, sem engasgar. E se tornou uma combinação perfeita de bom paladar.

ORIGEM INDÍGENA DA PA’SOKA

Paçoca de Carne Seca - Pilão
Pilar paçoca com farinha exige cuidado (Foto: Divulgação)

Mas existe a versão de que a paçoca de carne seca originalmente é uma comida indígena desde os tempos de colônia, chamada em tupi de pa’soka (veja fonte aqui). Os índios tinham o costume de fazer a paçoca misturando farinha de mandioca com outras sementes, raízes, carnes e temperos.

Devido a sua praticidade, durabilidade, fácil transporte, versatilidade e sustância, a paçoca passou a ser utilizada também por bandeirantes, tropeiros, garimpeiros e outros aventureiros, que a guardavam em cestos, baús e embornais para que o alimento fosse levado em suas viagens e aventuras, se difundindo por todo país desde o Brasil Colônia.

Não foi à toa que, no tempo colonial, surgiu o ditado popular “estar por cima da carne seca”. Isso significava estar “bem de vida”, pois quem tinha reserva de alimento que podia durar por muito tempo significava uma situação próspera.

E por longo anos os pilões feitos artesanalmente de madeira vêm sendo usados nas comunidades indígenas, quilombolas e caiçaras para fazer a paçoca de carne de sol, servida com banana. Ao longo dos anos, ela foi complementada e encorpada com outros temperos ou servida para acompanhar diversos pratos. Em Boa Vista, muitos restaurantes a quilo ofertam o reservatório de paçoca para o cliente se servir.

Seja qual for a história, a paçoca de carne de sol com banana é uma alimento muito gostoso de se saborear e prático para ser levado para aventuras ou longas viagens para o interior do Estado.  Em locais onde não há energia elétrica, é um alimento que serve de reserva para as comunidades indígenas ou para famílias da zona rural.

Compartilhe este post:
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Um Comentário

Deixe uma resposta para ROSIFELICIANO Cancelar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.