Em Pauta

Share This:

Suely faz palanque na ALE

Governadora Suely Campos na abertura do ano legislativo (FOTO: Divulgação)

A governadora Suely Campos (PP) transformou a abertura dos trabalhos da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) de 2018, nesta manhã, em um verdadeiro palanque eleitoral, se colocando como a reconstrutora de Roraima e dizendo ser um poço de honestidade. Ignorando crise imigratória, atuação implacável do crime organizado e o avanço da criminalidade, ela usou a Mensagem Governamental para confirmar sua pré-candidatura para a reeleição e abertamente enumerou quais serão suas bandeiras neste ano eleitoral.
                             *
Quem estava ouvindo a governadora teve a impressão de que ela estava falando de outro Estado, longe dos graves problemas que a população enfrenta. Depois de enumerar o que ela chama de feitos de seu governo, frisou, no final de sua fala, quais serão os pontos em seu palanque eleitoral deste ano: “Sou governadora da solução fundiária e titulação de terras, da certificação do status livre de aftosa, do Hospital de Clínicas, do novo HGR [Hospital Geral de Roraima], do Centro de Referência da Saúde da Mulher, da inovação das escolas militarizadas, do mais moderno programa habitacional, o Bem Morar e Rede Cidadania”, discursou.
                                                                                   **
No mesmo tom, Suely também anunciou a inauguração do asfaltamento da BR-210 (em 03 de março) e da Usina Hidrelétrica de Jatapu com 100% de sua capacidade, com 10MW, ambos no Sul do Estado. Ela também fez questão de frisar duas vezes que é uma governadora honesta – inclusive indagou: “Ser honesto é demérito?” – e encerrou destacando novamente a ladainha de que assumiu um governo quebrado (ela chamou de “terra arrasada”) e que enfrenta uma “oposição impiedosa que trabalha contra Roraima”.
                                                                                  ***
Para reafirmar que sua Mensagem Governamental foi oficialmente o lançamento de sua pré-candidatura, a governadora Suely Campos tentou usar da ironia aos seus críticos: “Só não vê a reconstrução de Roraima quem não quer”, disse destacando que trabalhou com “gestão de resultado” e acrescentou que poucos teria coragem de enfrentar o que ela enfrentou. Só faltou mesmo pedir voto da plateia.

Na boa vontade

Fazendo um forte exercício de boa vontade para aproveitar o que seria avaliação de três anos de governo e o que é campanha eleitoral antecipada, no discurso da governadora de hoje, é possível destacar o anúncio, para maio deste ano, da entrega para Roraima, em Paris, do Certificado Internacional para exportar carne para outros países. O anúncio foi acompanhado da informação de que o rebanho bovino roraimense cresceu 10% e da cobertura vacinal de 99% de imunização.

Herança e pontes
Os demais anúncios feitos pela chefe do Executivo carecem de melhor avalição, pois nenhuma das obras relacionadas para inauguração iniciou em sua administração: Hospital das Clínicas, anexo do Hospital Geral de Roraima e Usina Hidrelétrica de Jatapu. O que resta de ação própria é a reconstrução de 1.152 km de pontes de madeira, sendo 200 já prontas e 40 em construção, conforme ela enumerou.

Cheio de firula
Outros “feitos” vieram precedidos de muito enfeite, como: “Não é slogan de governo, é estilo reconstrução de Roraima, é realidade”, afirmou. “As sementes brotaram e começam a dar fruto, com lavouras sólidas e sustentáveis”. Suely disse que Roraima “é uma nova fronteira agrícola do país”, com regularização fundiária rural e urbana, elevação do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017, reformas e construção de obras no interior com emendas parlamentares e blábláblá…

Dentro do figurino

Presidente da Assembleia Legislativa, deputado Jalser Renier (FOTO: DIVULGAÇÃO)

A fala do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Jalser Renier (SD), na manhã de ontem, não fugiu ao figurino, ao declarar instalada a 4ª Sessão Legislativa da Sétima Legislatura. O tom do discurso foi o empenho em ampliar a participação popular do Legislativa junto à população, além de harmonia entre poderes. Destacou a inauguração, no ano passado, de quatro núcleos do Legislativo nos municípios de Alto Alegre, Bonfim, Iracema, Rorainópolis e Caracaraí. Nessas localidades funcionam a Escola do Legislativo, Abrindo Caminhos, Procon Assembleia e Centro Humanitário de Apoio à Mulher (Chame). Ele anunciou que este ano as ações chegarão a São João da Baliza e Mucajaí.

Busca da harmonia
Antes de iniciar a solenidade de abertura do ano legislativo, o deptuado Jalser Renier chamou a atenção para a disputa eleitoral que estar por vir, o que ele classificou como “eleição totalmente diferente de todas as outras”. Sem citar fatos, aproveitando a presença de representantes de todas as forças políticas do Estado, o parlamentar conclamou a busca por harmonia e bom senso. “Qualquer ato de agressão não pode ser recebido como democrática”, disse ao frisar que o Estado é maior do que briga política.

 

Divisão do despojo

Enquanto a governadora Suely Campos queima pestana tentando encontrar a fórmula para se colocar como a “reconstrução honesta do Estado” e “vítima da oposição malvada”, aliados do Palácio Senador Hélio Campos andam se desentendendo pela divisão do despojo. Dois deles se estranharam e quase foram às vias de fato no gabinete palaciano, dias atrás. O motivo era a disputa por cargo em uma estatal que é bastante conhecida por ser um cabide de emprego indicado por aliados.

Cabide de emprego
Um dos deputados perdeu o cargo de alto escalão na estatal e o outro aproveitou para indicar um dos seus homens de confiança para o lugar. Para se vingar, o primeiro parlamentar fez um dossiê sobre o rival para comprovar à governadora Suely Campos (PP) que a folha de pagamento da estatal triplicara a partir de quando o seu desafeto passou a mandar por lá. Não deu outra. O bate-boca se formou e os dois quase se engalfinham quando se encontraram no palácio.

E agora, governadora?
A nomeação para o cargo não poderia ser mais explícita possível. O parlamentar nomeou para conduzir a estatal o seu então chefe do gabinete parlamentar na Assembleia Legislativa. Ainda não se sabe o que a governadora vai fazer com o “dossiê da intriga”, pois, embora seja uma briga de aliados, é de conhecimento de todos que a estatal é um antigo cabide de emprego. Como agora ela coloca como bandeira de sua campanha a honestidade…

 

Jovens x corrupção

Esq. p/ dir.: juiz Pedro Machado Gueiros (tesoureiro), juiz Bruno Fernando Alves Costa (vice-presidente), o juiz Air Marin Júnior (secretário-geral) e o juiz Renato Albuquerque (presidente) – FOTO: Divulgação

A Associação de Magistrados de Roraima (Amarr), que hoje possui uma diretoria formada por magistrados jovens, tem divulgado que a atual gestão tem como uma de suas metas enfrentar a “campanha contra o Judiciário e seus membros, especialmente após a condenação de corruptos na Operação Lava Jato”. A composição da diretoria é a seguinte: juiz Pedro Machado Gueiros (tesoureiro), juiz Bruno Fernando Alves Costa (vice-presidente), o juiz Air Marin Júnior (secretário-geral) e o juiz Renato Albuquerque (presidente).

 

Operação na fronteira

Militares enviados pelo Exército para operação na fronteira com a Venezuela (FOTO: DIVULGAÇÃO)

O Pelotão de Fuzileiros de Selva do 1º Batalhão de Infantaria de Selva (Aeromóvel) enviou mais militares para o Município de Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, Norte do Estado. A finalidade é reforçar a segurança na divisa com o país vizinho. A informação é do Comando Militar da Amazônia. Desde que foi criada a força-tarefa do Governo Federal para enfrentar a crise da migração em massa de venezuelanos, a 1ª Brigada de Infantaria de Selva, utilizando as suas organizações militares, reforçou a fiscalização na fronteira.

Rigor na fiscalização
Desde 25 de janeiro vem sendo reforçada a Operação Escudo em Pacaraima, por meio do 3º Pelotão Especial de Fronteira, por meio de ações com patrulhas motorizadas e a pé, bem como fiscalização nos Postos de Bloqueios de Controle de Estradas (PBCE), onde são revistados pessoas e veículos. A operação conta com a participação dos órgãos de Segurança das esferas federal e estadual, além da Receita Federal e Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz).

Compartilhe este post:
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.